Lutando contra a obesidade para tornar a vida mais saudável

30 anos de idade, 118,5kg de massa e 1.69cm de altura – essas são medidas que colocam a mim diretamente nas estatísticas alarmantes sobre obesidade, doença terrível que assola o mundo contemporâneo. Antes de mais nada, deixo claro que não fui uma criança ou adolescente gordo, pelo contrário, no entanto, uma série de anos de desleixo e ansiedade não tratada  fizeram-me saltar de 78kg, aos 24 anos para os odiosos 118kg, aos 30.

Foto de Bruno Almeida

Foto de quando eu tinha 23 anos.

Portanto, aproveitando a virada de ano, e a renovação das energias, resolvi criar esse blog para falar algumas coisas sobre a minha percepção de mundo, um tantinho sobre minha vida pessoal, e um bocado sobre minha vida profissional. Talvez, assim, poça ajudar a mim e, quem sabe, mais alguém pelo caminho.

Sendo assim, começo escrevendo sobre essas batalha pessoal: nesse texto e em outros, escreverei sobre como a obesidade se tornou um problemão para mim e como estou enfrentando-a.

No último ano, só nos EUA foram registrados 86 milhões de pessoas obesas, o que representa por volta de 32% da população norte-americana. Na Rússia esse número é 29 milhões,enquanto no Brasil chega a quase 26 milhões, segundo dados da OMS (ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE).

Para o meu desespero, estudos publicados pela Global Burden of Desiese mostram que a expectativa de vida de pessoas obesas diminui quase 5% e já dizimou só no ano passado mais 6 milhões de pessoas.

Numa linha de tempo grande o suficiente, a taxa de sobrevivência de todos é zero, disse Tyler Durden, no filme Clube da Luta, de 1999.  Acontece que para a alguém que é obeso essa linha de tempo é sempre pequena e difícil demais demais para percorrer.

Hipertensão, doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, além de problemas físicos como artrose, pedra na vesícula, artrite, cansaço, refluxo esofágico, tumores de intestino e de vesícula, são só algumas de uma série de doenças que uma pessoa obesa terá que lidar ao longo da vida.

Estar gordo é uma condição. Ser gordo não.

Agora imagine a quantidade de remédios sintetizados para conseguir conviver com essas doenças possíveis? Imaginou? Nada agradável, não?

Por isso, como disse certa vez Zig Ziglar:

“Se você quer atingir uma meta, você deve primeiro se imaginar alcançando, antes de realmente alcançar”

Gastei os últimos dias me imaginando alcançando esse objetivo. Por isso, nos próximos textos escreverei sobre as etapas e ações necessárias para que eu possa sair do campo da imaginação e entrar no da realização.

Share

Bruno Almeida

Empreendedor, colecionador de fracassos, inveterado caçador de sucessos. Sabe fazer café, contar piadas e possuí uma incrível habilidade de fazer negócios criando um pouco de diversão e esquisitice.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

DO INSTAGRAM

Instagram has returned invalid data.